Categories
Animais Aquáticos

Tartarugas

São animais de respiração pulmonar cujo habitat é o meio aquático e procuram o solo várias vezes ao dia para andar ou tomar sol. Por isso o ambiente ideal para elas é o terrário, ou seja, um viveiro formado por duas partes, uma de água, que é o aquário e outra constituída de areia, pedras e plantas.

O nível da água do terrário deve ser baixo e a parte onde há o solo deve ser em forma de praia(tipo rampa, ou declive), facilitando o ir e vir do animal da água para terra. O terrário deve ter um nível de água que seja no máximo o dobro da altura da menor tartaruga que ali vive. Se não for em forma de praia, ela não conseguirá sair da água para andar ou tomar sol.

O uso de filtros no terrário é importante, pois se presta a reter as partículas em suspensão na água, mantendo-a cristalina. Mesmo assim trocas de água são necessárias, pois as tartarugas excretam uréia, que é muito fina para ser totalmente absorvida pelo carvão ativado do filtro. Se a água do aquário não for trocada periodicamente, os produtos da uréia irão se acumulando até que os animais nadem numa densa concentração de sua própria urina.

As consequência desse descuido são extremamente prejudiciais, como infeccões nos olhos e outros danos a saúde.

As tartarugas são animais carnívoros e alimentam-se principalmente de peixes e podem certamente devorar os peixes que sejam colocados, no caso de aquário comunitário.

[ad]

Categories
Animais Aquáticos

Salamandras Aquáticas

As salamandras, não podem ser mantidas sob temperaturas muito altas ou no seco. Isso porque não possuem regulação da temperatura do corpo e podem se desidratar facilmente, e são possuidoras de pele fina e mole.

As mudança do pH podem ocasionar problemas na pele. São também sensíveis a remédios usados em aquariofilia que trazem em sua composição o verde-de-malaquita ou sulfato de cobre.

O contato com essas substâncias pode lhes ser fatal. E se forem colocadas num ambiente em que o pH seja totalmente diferente do seu habitat nutural, podem sofrer um processo de metamorfose acelerado.

Há necessidade de se colocar um pedaço de isopor ou outro material flutuando onde o animal possa passar algum tempo fora da água. É também importante se colocar uma tela de proteção no aquário para que a salamandra não saia do aquário coisa bem fácil de acontecer.

Elas se alimentam exclusivamente de comidas vivas, que se movimentem, como insetos, vermes e alevinos de peixes. Aceitam também facilmente tubifex, artêmia, larvas de mosquitos(olhe na parte de Alimentos, como produzir esses alimentos vivos).

[ad]

Categories
Animais Aquáticos

Caramujos de Aquário

Nome Popular: Caramujos
Planorbis corneus; caramujo vermelho; red-ramshorn.

É o mais difundido no Brasil, sendo sua cor vermelha aparente, pois é albino e o seu vermelho é a cor do sangue, visto pro transparência. Com uma lente, podemos ver o desesnvolvimento dos seus ovos sobre os vidros, ocorrendo a eclosão em 10 dias.

Ovíparo e muito prolífero, em pouco tempo toma conta do aquário. Come as algas das folhas e ainda danifica as plantas. Concha em espiral, com 2 cm de circunferência. Seus ovos e filhotes são ótimos alimentos para os peixes. Come os ovos dos peixes. Quando amassados são um bom alimento.

Physa acuata – fisa:

Não prejudica as plantas, como o Limnaea, com o qual é confundido. Cinzento, concha ovalada, é pequeno, com 1 cm de comprimento. Muito prolífico, seus filhotes são um bom alimento para os peixes. Movimentam-se de forma interessante, subindo e descendo dentra da água, na vertical, como se houvesse uma parede invisível, pela qual estivesse deslizando com grande facilidade.

Ampullaria cuprina – ampulária:

Desova fora do aquário. Muito grande, sua concha atinge 10 cm de diâmetro. Não é aconselhável para aquários, exceto quando especial para ele. O aquário deve ter tampa, para que não fuja.

Limnaea stragnalis:

É grande, atingindo 6 cm de comprimento. Bota os ovos nas folhas das plantas, onde ocorre a eclosão, após 30 dias. Prefere temperatura de 28 graus.

Melanoides tuberculata:

Interessante devido ao seu hábito de enterrar-se na areia da cama do aquário, onde eliminando seus excrementos, aduba as plantas. Sua concha verde clara com listas horizontais marrons avermelhadas é em forma de espiral e bem comprida. Originário do Egito, é vivíparo, alimenta-se de algas e não prejudica as plantas.

[ad]